Congresso Internacional

Identidade e
Memória Sefardita:
História e Actualidade

15 - 17.06.2017
Bragança, Portugal

Apresentação

O olhar sobre o passado influencia a forma como nos transportamos para o futuro. No caso português, deve equacionar-se o facto de que a Inquisição apenas foi extinta em 1821, e que a Liberdade Religiosa consignada por lei, chegou a Portugal somente em 1910. Estes mais de três séculos de presença da Inquisição teimam em nos dificultar um olhar sereno sobre o passado judaico e a sua influência e implicações na nossa cultura.

Para uma cidadania plena, urge desencadear uma ampla reflexão que nos ajude, enquanto cidadãos, a chegar a um patamar de conhecimento do lugar de uma parte significativa dos nossos antepassados na forma como nos entendemos hoje em dia. Além da valorização turística, um sistemático trabalho cultural e académico sobre a memória, a cultura e o património sefardita na região de Bragança, é uma alavanca que nos obriga a repensar o lugar desta vasta região ao longo dos séculos.

É neste sentido que este congresso procura reunir académicos, investigadores locais, empresários, autarcas, líderes de movimentos associativos, artistas, entre muitos outros agentes sociais que representam as dinâmicas locais e regionais − numa profunda articulação com académicos e instituições internacionais − em torno da reflexão crítica sobre a importância da memória e da identidade sefardita nas configurações mais estruturantes da nossa contemporaneidade.

Organização

Iniciativa
Município de Bragança

Produção
Ideias Emergentes – Produção Cultural, CRL

Coordenação Científica
Cátedra de Estudos Sefarditas “Alberto Benveniste” da Universidade de Lisboa

Comissão Científica
Maria de Fátima Reis (Presidente), A. A. Marques de Almeida, Adriano Vasco Rodrigues, Elvira Mea, José Augusto Ramos, Paulo Mendes Pinto, Saul António Gomes, Susana Milão

Comissão Executiva
Paulo Mendes Pinto (Coordenador), Carla Vieira, Inês Nogueiro, Maria Fernanda Guimarães, Miguel Lourenço, Susana Bastos Mateus, Susana Milão, Fernando de Sousa

Secretariado Executivo
Rui Lomelino de Freitas (sefardi.international.congress@gmail.com)

Programa

(provisório)

15.06.2017

Auditório do Teatro de Bragança

14.30h | Sessão Abertura
Paulo Mendes Pinto (Coordenador da Comissão Executiva do Congresso)
Maria de Fátima Reis (Presidente da Comissão Científica do Congresso / Presidente da Cátedra de Estudos Sefarditas “Alberto Benveniste” da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa)
António Pinto Dias Rocha (Presidente da Direcção da Rede de Judiarias de Portugal – Rotas de Sefarad)
Hernâni Dias (Presidente da Câmara Municipal de Bragança)

15h
Claude Stuczynski (Universidade Bar Ilan): Bragança, “Metrópole do Criptojudaísmo”: Os Cristãos-Novos e a Inquisição

15.45h
Jorge Martins (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa): Marranismo e identidade
Abraham Gross (Ben-Gurion Universidade de Negev and Institute for Sefardi and Anousim Studies, Netanya Academic College): Judeo-Portuguese Self-Perception in the 15th century
Inês Nogueiro (i3s / Ipatimup, Instituto Politécnico de Bragança): Contaminações da Genética na Historia ou Caminhos para uma abordagem plural da Memória

17.30h
Myriam Silvera (Universidade de Roma Tor Vergata): The Messianic Idea of a Jewish Thinker born in Bragança: Isaac Oróbio de Castro
Andrew L. Gluck: Iberian medieval philosophical elements in the thinking of Leone Ebreo (Judah Abrabanel) from the three Abrahamic faiths and how they were blended into his contemporary Italian Renaissance thought
Arthur Kiron (Universidade Pennsylvania Libraries): Remembering Sepharad in an Atlantic Context
Fernando de Sousa 
(Presidente do Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade (CEPESE); Universidade do Porto): “Os Judeus e a Indústria das Sedas em Bragança (séculos XVI-XVIII)”

16.06.2017

9h | Auditório do Teatro de Bragança
Javier Castaño (Conselho Superior de Investigaçõess Científicas – CSIC): O tempo dos judeus. “Iberian Perspectives on Transmontane Jewry”
Elvira Mea (Universidade do Porto; Membro da World Union of Jewish Studies): Do antissemitismo ao compellere intrare
Abraham Haim (Conselho da Comunidade Sefardita de Jerusalém): Nos 750 anos da Comunidade Sefardita de Jerusalém: um panorama Histórico e Cultural

11h
Joël J. Cahen (National Holocaust Museum & Hollandsche Schouwburg): Portuguese Jews in Amsterdam and The Hague in the era of emancipation, examples of extremes, from conversion to continuation of their special religious status.
Maria Antonieta Garcia (Universidade da Beira Interior): Judeus de Belmonte no labirinto da(s) identidade(s)
Harm Den Boer (Universidade de Basel): The Portuguese Eloquence of Rabbi Samuel Mendes de Sola (trancoso 1699 – Curaçao 1761): from stirring a fight to celebrating peace in the Isle of Curaçao.

14.30h | Auditório Paulo Quintela | Auditório Centro Cultural Adriano Moreira
Simpósios temáticos

17h | Auditório do Teatro de Bragança
Pieter Vlaardingerbroek (Universidade de Utrech): The Portuguese Synagogue Sephardic Architecture in Amsterdam
Heide Warncke (‎Curadora da Biblioteca Ets Haim, Amesterdão): “Through the looking glass: sephardic identity in the collection of Ets Haim”
Yosef Kaplan (Professor da Universidade Hebraica e membro da Academia Israelita de Ciências e Humanidades): “Proselytes and Conversion in the Early Modern Portuguese Community of Amsterdam”
Maria de Fátima Reis (Cátedra de Estudos Sefarditas «Alberto Benveniste», Universidade de Lisboa): “Poder e Saber: cristãos-novos portugueses na corte dos Habsburgo”

17.06.2017

9h | Auditório do Teatro de Bragança
Sandra Neves da Silva (Universidade Nova de Lisboa): Reflexões Astronómicas e Contacto com Galileu nos Escritos de Manuel Bocarro Francês e Rosales (c.1588-1662?)
Susana Bastos Mateus (CIDEHUS-UÉvora; Cátedra de Estudos Sefarditas «Alberto Benveniste»; CEHR – Universidade Católica Portuguesa): Uma “comunidade” em perigo. Ritmos e dinâmicas da perseguição da Inquisição de Lisboa aos cristãos-novos (1537 – 1550)
Carla Vieira (CHAM, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade NOVA de Lisboa, Universidade dos Açores; Cátedra de Estudos Sefarditas «Alberto Benveniste», Universidade de Lisboa): As (in)felizes relíquias do Judaísmo ou como um auto da fé em Lisboa chegou aos prelos de Londres. Percepções e leituras sobre Inquisição e Diáspora na Inglaterra setecentista.
Miguel Rodrigues Lourenço (CHAM, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade NOVA de Lisboa, Universidade dos Açores; CEHR – Universidade Católica Portuguesa; Cátedra de Estudos Sefarditas «Alberto Benveniste», Universidade de Lisboa): Houve uma visitação inquisitorial a Macau nos finais do século XVI? Capitães-mores da viagem do Japão e cristãos-novos nos mares do Sul da China.

11.30h
António Andrade (Universidade de Aveiro): De Antuérpia a Ferrara: as memórias do caminho trilhado pelos cristãos-novos portugueses
Marina Pignatelli (Universidade de Lisboa): Os Luso-Anussim: etnografia dos descendentes de judeus e cristãos-novos em Portugal
Saúl António Gomes (Universidade de Coimbra): Presença judaica e cristã-nova na antiga Estremadura portuguesa

Encerramento

Conferencistas

Abraham Gross

Professor Abraham Gross, Departamento de História Judaica da Universidade Ben-Gurion do Negev Be'er Sheva, Israel. Ph.D. Universidade de Harvard. Principais campos de pesquisa: História Cultural e Intelectual do Judaísmo Ibérico e História do Martírio Judaico.

 

Andrew L. Gluck

Há vários anos que Andrew L. Gluck desenvolve estudos em Filosofia Ibérica Medieval. É autor de livros e artigos sobre Maimónides, Ibn Gabirol e Leão Hebreu. Tem-se especializado também em Filosofia das Ciências Sociais e da Consciência, assim como da filosofia da Karl Jaspers. O seu último livro desenvolve o conceito de eleição ou de escolha em relação ao povo judeu. Recentemente tem voltado o seu interesse para a evolução da consciência e da subjectividade da antiguidade à modernidade. Como parte do seu estudo, considera os conversos ibéricos e as suas comunidades como sendo uma chave para a compreensão desta evolução até à modernidade.

 

António Andrade

António Manuel Lopes Andrade é doutorado em Literatura pela Universidade de Aveiro, sendo professor auxiliar no Departamento de Línguas e Culturas da mesma instituição, na área de Estudos Clássicos e Portugueses, leccionando disciplinas no âmbito das Línguas e Literaturas Latina e Portuguesa, da História das Ciências e da História do Livro. Na qualidade de membro do Centro de Línguas, Literaturas e Culturas da Universidade de Aveiro, tem vindo a desenvolver a sua investigação nas áreas do Humanismo Renascentista Português, da Literatura Novilatina, da História dos Judeus Portugueses e da História das Ciências, tendo coordenado o projecto de I&D “Dioscórides e o Humanismo Português: os Comentários de Amato Lusitano” (http://amatolusitano.web.ua.pt).
Entre as suas publicações mais recentes destacam-se: ANDRADE, António Manuel Lopes; MIGUEL MORA, Carlos de; TORRÃO, João M. N. (coords.), Humanismo e Ciência: Antiguidade e Renascimento. Aveiro, Coimbra, São Paulo: UA Editora – Universidade de Aveiro, Imprensa da Universidade de Coimbra, Annablume, 2015. http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0941-6; ANDRADE, António Manuel Lopes, O Cato Minor de Diogo Pires e a poesia didáctica no século XVI. Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2014. https://www.incm.pt/portal/loja_detalhe.jsp?codigo=102552; ANDRADE, António Manuel Lopes et alii (eds.), Humanismo, Diáspora e Ciência (séculos XVI e XVII): estudos, catálogo, exposição. Porto, CMP-BPMP; UA-CLC, 2013. (estudos e catálogo de livro antigo decorrente de colóquio e exposição bibliográfica realizada na Biblioteca Pública Municipal do Porto) https://doi.org/10.14195/978-989-26-0945-4; ANDRADE, António Manuel Lopes (ed.), Ágora. Estudos Clássicos em Debate, 14.1 (2012). (número especial da revista, que contém vários estudos decorrentes de um colóquio realizado em Aveiro sobre o tema “Inventários, Livros e Ciência”) http://www2.dlc.ua.pt/classicos/agora14.1.htm.

 

Arthur Kiron

Arthur Kiron é o curador das Schottenstein-Jesselson para as Coleções Judaicas nas bibliotecas da Universidade da Pensilvânia e é Professor assistente adjunto de História na cidade de Penn. É o Diretor do Projeto Jesselson-Kaplan Genizah Americano e o editor de Constellations of Atlantic Jewish History: The Arnold e Deanne Kaplan Collection da Early American Judaica (2014), que recebeu o Arline Custer Memorial Award. Entre as suas publicações relacionadas com esta conferência encontram-se: “Heralds of Duty: The Sephardic Italian Jewish Theological Seminary of Sabato Morais” Jewish Quarterly Review vol. 105, no. 2 (Spring 2015), 206-49; “An Atlantic Jewish Republic of Letters?” Jewish History vol. 20, nos. 1-2 (2006), 171-211; La Casa Editrice Belforte e L’Arte Della Stampa in Ladino/The Belforte Publishing House and the Art of Ladino Printing (Livorno: Salomone Belforte and Co., 2005); “Mythologizing 1654,” Jewish Quarterly Review vol. 94, no. 4 (Fall 2004), 583-94. “Varieties of Haskalah: Sabato Morais' Program of Sephardic Rabbinic Humanism in Victorian America,” [in Reconfiguring Jewish Culture from Al-Andalus to the Haskalah, eds. Adam Sutcliffe and Ross Brann (Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 2003), pp. 121-45].

 

Claude (Dov) B. Stuczynski

Claude (Dov) B. Stuczynski é Professor Associado do Departamento de História Universal (Universidade de Bar-Ilan) e membro do conselho directivo do Centro de Estudos de Conversões e Encontros Inter-Religiosos (CSOC) da Universidade Ben-Gurion. Tendo escrito uma série de contributos em várias línguas, os seus dois principais campos de investigação são: O fenómeno Converso Português e os primeiros encontros entre europeus e ameríndios.
O seu interesse principal centra-se na relação entre religião e política nos períodos Medieval e Moderno. Neste momento prepara um estudo sobre a dimensão teológico-política do fenómeno Converso (a que ele chama: “O Momento Marrano Marrano”).
Entre as suas contribuições estão as seguintes:
Between Religion and Religiosity among the New Christians of Bragança in the 16th Century, (em hebraico); The New Christians in Portugal in the XXth Century (Hebrew edition: The Israeli Historical Society, futura edição francesa);- “On Behalf of the Nation”. New Christian Apologetics in the Iberian World. Publicou uma série de artigos, resenhas e participações no Dizionario Storico dell'Inquisizione de Adriano Prosperi's e John Tedeschi, Scuola Normale Superiore di Pisa, 4 vols. (Italiano). É co-editor com David Graizbord de uma edição especial da Revista “Jewish History” dedicada ao tema Early Modern Portuguese New Christian Identities.

 

Elvira Mea

ELVIRA CUNHA AVEZEDO MEA nasceu no Porto, a 21 de Março de 1948. Licenciou-se em História (1972) e doutorou-se em História Moderna e Contemporânea (1990), pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, exercendo presentemente as funções de professora catedrática.
É Vice-Presidente do Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto, onde dirige uma linha de investigação nessa área e coordena o Seminário de História do Mestrado em Estudos Africanos; no âmbito da História Moderna dirige o Seminário de Estruturas Religiosas no Mestrado em Estudos Locais e Regionais do Departamento de História.
Com uma pesquisa histórica ligada sobretudo ao Judaísmo, Cristãos-novos, Inquisição e Marranismo no âmbito social, cultural e das mentalidades, é autora de dezenas de trabalhos publicados em várias línguas.

 

Fernando de Sousa

Fernando de Sousa é professor catedrático de História Económica e Social da Universidade do Porto. Doutorado em História pela Faculdade de Letras daquela Universidade (1980), é Presidente da Direção e Coordenador Científico do Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade (CEPESE).
Foi membro da Assembleia do Atlântico Norte e Relator da Comissão de Educação e Cultura (1983-1986) e deputado à Assembleia da República (1983-1985 e 1991-1999), tendo integrado a Comissão de Defesa Nacional e a Comissão de Educação, Ciência e Cultura e presidido à Comissão Parlamentar do Património da Assembleia da República (1992-1999) e à IX Conferência Interparlamentar EUREKA (1997-1998). O seu currículo conta com perto de uma centena de artigos e livros científicos no âmbito da História Contemporânea de Portugal, especialmente nas suas vertentes institucional e política.

 

Heide Warncke

Heide Warncke nasceu em Hamburgo e estudou línguas semíticas na Universidade de Amsterdão.
Depois de terminar os estudos tornou-se líder do projeto para a catalogação Hebraica impressa  e antiga e Judaica na Bibliotheca Rosenthal, para as Coleções Especiais Judaicas da Universidade de Amsterdão. Como especialista em bibliotecas, também trabalhou para várias pequenas bibliotecas judaicas na Holanda. Começou a trabalhar na Biblioteca Ets Haim - Livraria Montezinos (parte do Jewish Cultural Quarter) em Amesterdão em 2012 e foi recentemente nomeada curadora de Ets Haim.
Atualmente é doutoranda com a Pesquisa sobre o assunto "A relação entre manuscrito e livro impresso no início moderno, ocidental-sephardic".

 

Inês Nogueiro

Maria Inês Pires Nogueiro nasceu em Bragança.
Em 2000 fez a Licenciatura em Biologia/Geologia na UTAD – Vila Real.
Em 2008 fez o Mestrado em Evolução Humana (Genética Populacional) na FCTUC – Coimbra.
Em 2015 fez o Doutoramento em Biologia (Genética de Populações Humanas/ Populações Judias) na FCUP e IPATIMUP – Porto.
Desde 2016 até à atualidade é investigadora visitante no I3S (Instituto de Investigação e Inovação em Saúde), do grupo de Genética de Populações e Evolução.
Tem várias publicações em revistas internacionais com arbitragem científica e tem participado em vários congressos nacionais e internacionais.

 

Javier Castaño

Estudei história e estudos judaicos em Madrid, Jerusalém e Harvard. Atualmente sou pesquisador sénior de História Judaica no Conselho Superior de Pesquisa de Espanha (CSIC) de Madrid e chefe do grupo de pesquisa "Judeus e Muçulmanos na Rede Social Mediterrânea: Fontes e Contextos". Entre 2006 e 2015 fui editor Chefe da revista Sefarad.
A minha pesquisa focalizou a análise de diversos aspectos da história social, económica e religiosa dos judeus ibéricos durante a Idade Média tardia e na diáspora mediterrânea moderna. Atualmente, estou liderando o projeto Ginze Sefarad, para a edição e análise de documentos históricos tardios medievais e textos haláchicos em hebraico, e tratei dos processos de conversão de judeus ibéricos.
Dei cursos de pós-graduação na École des Hautes Études en Sciences Sociales em Paris (2009), e na Universidade Hebraica de Jerusalém (2014). Além disso, fui pesquisador no Centro Katz para Estudos Avançados Judaicos na Filadélfia (2010-11), e na Universidade de Oxford (2015).
Algumas de minhas publicações recentes: (2017), “’Cleanse Me from My Sin:’ the Social and Cultural Vicissitudes of a Converso Family in Fifteenth-Century Castile,” in P. Macejko & Th. Dunkelgrün (eds.), Bastards and Believers. Converts and Conversion between Judaism and Christianity(Philadelphia: University of Pennsylvania Press). (2017), “Entangled Dowries of Converts in Transition in Early Modern Navarre,” in A. Bar-Levav & C. D. Stuczynski (eds.), The Path to Modernity (Jerusalem: The Historical Society of Israel). (2015) “The Peninsula as a Borderless Space: Towards a Mobility ‘Turn’ in the Study of 15th Century Iberian Jewries,” in Ph. Buc, M. Keil & J. Tolan (eds.), Jews and Christians in Medieval Europe: The Historiographical Legacy of Bernhard Blumenkranz(Turnhout: Brepols), 315-332. (2014) ed., ¿Una Sefarad inventada? Los problemas de interpretación de la cultura material de los judíos en España (Córdoba: Editorial El Almendro).

 

Jorge Martins

Jorge Martins é doutorado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Autor de manuais escolares, obras de ficção e ensaio sobre história contemporânea, história local e estudos judaicos e inquisitoriais. Sobre este último tema, proferiu diversas conferências e publicou vários estudos, designadamente os seguintes livros: Portugal e os Judeus, 3 vols., 2006; Breve História dos Judeus em Portugal, 2009; A República e os Judeus, 2010; Maria Gomes, Cristã-nova, 117 anos: a mais idosa vítima da Inquisição, 2012; Manteigas, Minha Pátria: os cristãos-novos de Manteigas, vol. II, 2015; A Inquisição em Ourém, 2016; O Judaísmo em Belmonte no Tempo da Inquisição, 2016.

 

Maria Antonieta Garcia

Doutorada em Sociologia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Professora Associada na Universidade da Beira Interior (Aposentada) tem desenvolvido as suas investigações no âmbito do Judaísmo e das Identidades.
Publicou, entre outros, os livros: A Comunidade Judaica da Covilhã- Descobertas e Inquisição - Covilhã, UBI, 2013. Carolina Beatriz Ângelo, Médica, Republicana, Sufragista…, Lisboa, Editora Fonte da Palavra, 2011. Carolina Beatriz Ângelo – Guarda(dora) da Liberdade, Câmara Municipal da Guarda, 2009; Inquisição e Independência – Um Motim no Fundão, 2006; Fios – Para um Roteiro Judaico da Covilhã, UBI, 2001; Guarda – História e Cultura Judaica, Museu e C.M. da Guarda, 1999. (Comissária Científica do Catálogo e Exposição); Judaísmo no Feminino, Lisboa, ISER, UNL,1999; Denúncias em Nome da Fé, Lisboa, ISER, UNL, 1996; Os Judeus de Belmonte: Os Caminhos da Memória, Lisboa, ISER, UNL, 1993.
Coordenadora e autora de Euforia Breve. Memórias da Primeira República na Guarda, 2011.
Coautora de obras (entre outras): Coimbra Judaica, CM de Coimbra, 2009; Dicionário do Judaísmo Português, Presença, 2009; Aula Ibérica, ed. Universidad de Salamanca, 2007; El Legado de Sefarad, Salamanca, Amarú ed.y Norbert Rehrmann, 2003; Guarda – A Formosa, C.M. da Guarda, 2000; Testemunhos do Judaísmo em Portugal, Ministério da Cultura, 1997; Judeus e Árabes na Península Ibérica, Comissão Nacional da UNESCO, CNC, 1994.
Participou em colóquios, congressos nacionais e internacionais.

 

Marina Pignatelli

Marina Pignatelli é doutorada em Ciências Sociais na especialidade de Antropologia e Mestre em Ciências Antropológicas pela Universidade de Lisboa, ISCSP, onde lecciona. Completou pós-graduações em Etnologia das Religiões (UNL-FCSH) e em Estudos Sefarditas (Cátedra Estudos Sefarditas), bem como cursos livres em Judaísmo (CNC), Simbolismo (Fundação Casa Alorna), Tanatologia, Parapsicologia e Religião (UCP – Fac. Filosofia de Braga), Religiosidades Contemporâneas (UCP - Fac. Teologia de Lisboa), Peacekeeping e Resolução de Conflitos (UNITAR), Gestão Civil de Crises (IDN) e Património Cultural Imaterial (DGPA.UAb). Tem-se dedicado ao estudo da realidade judaica em Portugal desde 1991 e terminou um pós-doutoramento sobre os Judeus de Moçambique. É investigadora integrada do CRIA – Centro em Rede de Investigação em Antropologia e vogal da direcção da Associação Portuguesa de Antropologia.

 

Myriam Silvera

Myriam Silvera ensina “História e Cultura dos Judeus na Idade Moderna” na Universidade de Roma “Tor Vergata”. É igualmente responsável por dois programas universitários na União das Comunidades Judaicas Italianas: a Licenciatura em Estudos Judaicos e o Mestrado em Cultura e Comunicação Judaicas. Ela participa do Conselho Diretivo da revista “La Rassegna Mensile di Israel”. O seu principal interesse é a história religiosa do século XVII, incluindo a história marrana e a relação intelectual entre judeus e huguenotes. Trabalha na produção literária manuscrita dos judeus de Amsterdão em espanhol e em português. Publicou, entre outras obras, “Jacques Basnage, corrispondenza da Rotterdam”, principalmente em francês, e editou pela primeira vez o famoso manuscrito de Isaac Orobio de Castro “Prevenciones Divinas” (Olschki, 2014).

 

Sandra Neves da Silva

É doutoranda na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, versando a sua dissertação sobre o percurso de vida e a obra escrita do cristão-novo Manuel Bocarro Francês e Rosales (c.1588-1662?). É membro da Sefarad: Society for the Study for Sefardic Studies (Instituto Ben-Zvi e Universidade Hebraica de Jerusalém), tendo apresentado várias comunicações em colóquios nacionais e internacionais e publicado diversos artigos em Portugal e no estrangeiro. É formadora e coordenadora científica da Pós-Graduação «Expressão Artística e Comunicação» (Instituto Criap) e genealogista profissional na Lux Historical Consulting, de que é fundadora.

 

Saul Gomes

Licenciou-se em História, pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, em 1985.
Em 1989 obteve o título de Mestre em História Medieval pela mesma faculdade.
Doutorou-se no ano 2000, na especialidade de História Medieval, pela Universidade de Coimbra, onde realizou as suas provas públicas, defendendo a dissertação intitulada "In Limine Conscriptionis. Documentos, Chancelaria e Cultura no Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra (Séculos XII a XIV)".
Lecciona, desde 1987, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, onde, desde 2009, é Professor Associado com agregação.
É membro correspondente da Academia Portuguesa da História, colaborador do Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa e investigador do Centro de História da Sociedade e da Cultura da Universidade de Coimbra.
Em 1999 foi galardoado com o Prémio Gulbenkian de Ciência, pela sua obra: "Intimidade e Encanto. O Mosteiro Cisterciense de Santa Maria de Cós".

 

Yosef Kaplan

Yosef Kaplan é Professor emérito de História Judaica na cátedra Bernard Cherrick da Universidade Hebraica. As suas principais publicações incluem: From Christianity to Judaism (1989); Les nouveaux-juifs d'Amsterdam (1999); An Alternative Path to Judaism ( 2000). Publicou mais de 20 obras, e as suas publicações mais recentes são: Dutch Jews as Perceived by Themselves and by Others (2001); The Dutch Intersection. The Jews and the Netherlands in Modern History ( 2008). É autor de vários artigos sobre o Judaísmo Ibérico no final da Idade Média, os conversos Ibéricos, a Diáspora Sefardita e o Iluminismo Moderno na Sociedade Judaica. É membro da Academia Israelita de Ciências e Humanidades onde é responsável pela Secção Académica de Humanidades.

 

Call for Papers

Após avaliação das propostas a Comissão Científica do Congresso seleccionou as comunicações indicadas a seguir:

Comunicações

Sexta-feira, 16 Junho

14h30 | Auditório Paulo Quintela
Grupo 1A

1. Marize Helena de Campos (Universidade Federal do
Maranhão / Brasil, Departamento de História / DeHis): “A Estrela
de Davi da Nacão Angola: o processo inquisitorial de Mariana
Preta (1713)”

2. Florbela Veiga Frade (Investigadora integrada do CHAM; Consultora Externa da Comunidade Israelita de Lisboa): “A
família Sola, um caso paradigmático da diáspora de Sefarad”

3. António Bento (Universidade da Beira Interior): “Anussim” e “Meshumadim”: Jurisprudência Rabínica sobre o Judaísmo dos “Conversos”
4. José Paulo Nascimento e Silva (UNL- CHAM): “Catarina de Orta (c. 1512 – 1569)”
5. Miquel Beltran y Miguel Riera (Universidad de las Islas Baleares): “Examen del Certamen Philosophicum contra
Bredenburg, de Orobio de Castro.”

6. Joana Catarina Mestre da Costa (Universidade de Aveiro): “Filipe Montalto, a sua Archipathologia e a urgência da
(re)descoberta do homem e da obra para uma (re)construcão da
história da medicina e da memória (sefardita) europeia”

7. Luciana C. Ferreira Braga (Centro de Estudos Humanísticos (CEHUM), Universidade do Minho): “Isaac Cardoso e a
Philosophia Libera (1673): da reivindicacão da liberdade de
pensamento ao assesto dos erros e quiproquós dos grandes
génios”.

 
14h30 | Auditório I Centro Cultural Adriano Moreira
Grupo 1B

1. Rita Ribeiro Voss (Universidade Federal de Penambuco; Universidade de Coimbra): “O Massacre de Lisboa de 1506 e o discurso de ódio antijudaico”
2. Inês Thomas Almeida (FCSH – UNL / INET-MD): “O meu pai era judeu português: Henriette Herz de Lemos como motor da
revolucão intelectual berlinense à volta de 1800”

3. António de Vasconcelos Nogueira (Centro de Línguas, Literaturas e Culturas – Universidade de Aveiro): “Os Judeus portugueses na rede de negócios de Glückel von Hameln (1646-
1724)”

4. José Higuera Rubio | Ana Lima (FCT/Universidade do
Porto): “Os textos dentro do texto: elementos apologéticos na
argumentacão filosófica de Orobio de Castro na controvérsia
com Zepeda”

5. Moacir Amâncio (Universidade de São Paulo, Grupo de Pesquisa Isaac de Castro Tartas): “Redescobertas: experiências
brasileiras convergentes”

6. Susana del Rey Granell (Ginze Sefarad Project, CSIC, Madrid): “Terras, tempos e concelhos: Artesãos-mercadores
judeus em Bragança e Castela Ocidental (1431-1492)ˮ
7. Rachel Mizrahi (Pesquisadora do Laboratório de Estudos sobre a Etnicidade e Racismo da Universidade de São Paulo –
LEER/USP): “VOZES SEFARADITAS, UM LEGADO: Refugiados do Nazifascismo e sobreviventes do Holocausto, radicados no Brasil”

 
14h30 | Auditório II Centro Cultural Adriano Moreira
Grupo 2

1. Sarina Roffé (Institution to which the proponent is affiliated: Sephardic Heritage Project): “From Iberia to Syria to the Americas”
2. Gabriela Benner (Universidade do Porto/CITCEM): “Gestas, el judío: Estudio de caso en el patrimonio artístico del Norte de Portugal.”
3. Silvina Schammah Gesser (Hebrew University Jerusalem) | Teresa Pinheiro (Chemnitz University of Technology): “Interpellating Sephardic Identities in Spain and Portugal: Twenty-First-Century Multiple Agendas”
4. Guilherme Maia de Loureiro (Laboratório de Estudos
Judaicos – ISCSP-UL): “Memória, tradicão, genealogia e a nova
Lei da Nacionalidade Portuguesa”

5. Suso Vila (Grupo de Investigación Universidade Santiago de Compostela, “Memoria, textos e imágenes. La recuperación del patrimonio perdido para la sociedad de Galicia”): “Sefardismo y paisaje cultural: el redescubrimiento de la presencia judía y
judaizante en la frontera del Miño”

6. Antonio José Aguilo y Fuster Caria Mendes (Universidade Lusófona / Associação de Amizade Portugal-Israel): “Terá
existido um urbanismo e uma arquitectura Sefardita medieval na
Península Ibérica?”
7. Anun Barriuso y José Manuel Laureiro (Centro Isaac
Campantón): “Vestigios criptojudíos en la Raya de España y Portugal”

Temas abertos para o Call for Papers

Grupo 1

A construção e a descoberta da memória histórica
A redescoberta do património sefardita e as identidades hodiernas
A memória sefardita na construção das identidades e da cultura contemporânea
A construção da memória, a liberdade religiosa e afirmação da identidade e pertença judaica
O património e as comunidades judaicas de Bragança
O património e as comunidades oriundas de Bragança na diáspora

 

Grupo 2

A história e a cultura sefardita como (re)criação do território
O turismo e as rotas culturais como reencontro de memórias, de afectos e de economias
O turismo como redefinição das periferias e factor de inovação
A descoberta da memória sefardita na redefinição do território
A História e a Memória na equação dos desafios da actualidade
A influência e leituras da cultura sefardita a partir da arquitectura e do urbanismo (e na arte)



Inscrições